É importante se cuidar para a doença não voltar.

Passar por um processo de cura quântica é o mesmo que passar por um processo de cura física. Não há diferenças, pois da mesma forma que o corpo necessita de cuidados para seu ótimo funcionamento, também o espírito assim necessita de cuidados e atenções para que mantenha-se sempre o equilíbrio entre mente, corpo e espírito.

Recordo-me quando ouvi de uma entidade amiga, um espírito que trabalha em prol dos auxílios aos seres humanos, que eu deveria “ajudá-lo a me ajudar“. Eu estava tratando o auxílio e a cura quântica que eu estava recebendo como uma muleta. Toda semana eu ia receber curas energéticas no mesmo dia e horário, saia da sessão leve como uma pluma, naquele dia dormia tranquila como um bebê. Mas voltava para o meu dia a dia, com horários descomunais e uma rotina doentia de reuniões com pessoas das quais eu não tinha o menor prazer em lidar e que sugavam-me todas as energias. Olhando para traz, não sei dizer como aguentei tanto tempo. Claro, que muito do que fazia era sobrecarregar meu corpo e minha mente e para mantê-los ativos, dando conta de todas aquelas experiências desagradáveis eu me entupia de medicamentos (cronificadores de doença) cada vez mais fortes. Dores de cabeça fortíssimas, dores nos ombros, gastrites, erosões no estômago, úlceras, bruxismo, péssimas noites de sono e por aí vai. Cada hora era um sintoma diferente e para cada um, uma droga diferente. Remédios faziam parte da minha rotina e até remédios para não menstruar, pois eram as fases do mês onde minha sensibilidade aflorava ainda mais e as dores de cabeça tornavam-se insuportáveis, a ponto de ir parar em hospitais, pois nenhuma medicação resolvia.

Era claro para aqueles que me auxiliavam com as curas energéticas que tudo aquilo de nada adiantaria se eu não fizesse a minha parte, se eu não parasse de intoxicar a mim e ao meu estado de espírito com aquela rotina que não fazia sentido algum. Toda aquela anulação de mim mesma fazia sentido somente para aqueles que tinham resultados positivos com isso, que no caso não era eu. O único sentido e objetivo que  aquilo tinha era para manter compromissos com um cotidiano de trabalhos cada vez mais corporativos, e, para o que eu estava me matando mesmo?!

É importante repensar nosso dia a dia, nossas atitudes, pensamentos e sentimentos. Muitas vezes nos matamos por algo que nem sabemos ao certo o que é. E quando paramos e observamos tudo o que estamos fazendo, enxergamos o quanto estamos nos desprendendo ainda mais de nossa verdadeira essência. Nossos reais  objetivos como seres de luz vivenciando uma experiência terrena, que poderá ser tranquila ou perturbadora, tudo vai depender do cuidado que teremos conosco mesmos. É uma atividade e um desenvolvimento diário, a cada minuto temos novas oportunidades de optarmos por cuidarmos melhores de nós mesmos!

Espero de coração que todos que lerem este texto, repensem suas vidas e caso se identifiquem com muitas das situações extremas que retratei aqui, possam de fato consumar mudanças significativas para o seu bem estar e a consumação de uma vida plena, cheia de satisfação interior e com propósitos que façam sentido para o seu Eu Maior!

Tudo é uma questão de escolha!

A todos muita paz e muita luz no coração sempre! ❤️ ✨


2 comentários

Naira Santos · 07/03/2018 às 23:23

Nossa Érica seu relato mexeu muito comigo pois também já me forcei a uma rotina exaustiva de domingo a domingo pelo o que na época achava o melhor salario do mundo e o trabalho em si nem era cansativo mas a energia das fofocas, os excessivos assédios fizeram com que junto ao meu despreparo emocional, psicológico e espiritual eu ficasse doente. Acabei perdendo o trabalho, tranquei a universidade, me afastei de todo mundo e agora dois anos depois é que estou recuperando a minha vida novamente só que dessa vez com o olhar e uma preparação bem diferente. Sou muito grata por toda a ajuda que você,a Cris e a Joyce tem proporcionado para pessoas que assim como eu ainda estão se descobrindo. Muita luz, paz e muito amor. Namastê✨

    Érica Lima · 08/03/2018 às 11:34

    Querida Naira, fico tão feliz em ver essa identificação e o principal, ver que podemos escolher sermos felizes! Arriscaria até em dizer que você não perdeu o trabalho, mas sim, seu corpo lhe mostrou que não era aquilo que lhe faz bem…Todos nascemos com dons únicos e somente você pode desempenhar aquilo que você veio fazer. Fico muito feliz em receber sua mensagem! Namastê querida.❤️

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *