Por vezes achas-te incapaz de perdoar. Parece que nada do que fazes resulta no resultado esperado, o de esquecer o mal que lhe foi causado e seguir adiante como se nada lhe tivesse ocorrido.

Não lhe atentas, porém, de que não se trata de esquecer, mas sim entender; que o amor está em tudo e em todos, que as dores fazem parte do aprendizado e que nada, nada lhe ocorre em vão.

Aquele que hoje vitimiza-se foi o algoz de outrem.

Saber identificar-se no meio de tantas idas e vindas, entre os diversos caminhos de lapidação do ser, aguça o discernimento e faz com que o aprendizado seja mais perceptível. Acelera os entendimentos dos propósitos maiores; auxilia na compreensão do bem e do perdão verdadeiramente rico: àquele que ao invés de tentar esquecer, simplesmente perdoa, mantendo o aprendizado da situação difícil.

 


0 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *