Olá! Trago hoje para todos vocês, essa nova série com atividades para auxiliar na movimentação das energias e contribuir com nossa harmonia interna e externa. Iniciamos com os exercícios para desobstruir prana nas nossas articulações. Nossas juntas são muito sensíveis e além disso, acabam por estagnar muita energia, o que pode vir a prejudicar o restante do organismo em diversos aspectos. Para quem busca maior equilíbrio e estabilidade, não somente com as energias, mas também no seu dia a dia, essa série de exercícios** leves e simples vão contribuir com esse objetivo.

O fluxo de energia “ki”* (equivalente à forma mais densa de prana) é facilmente obstruído nas articulações. Neste caso, esse fluxo reduzido pode causar dores reumáticas e resultar em fluxo de energia deficiente por todo o corpo, sendo uma causa fundamental de muitos outros distúrbios. O principal objetivo do grupo de asanas – chamado pawanmuktasana, exercícios de “liberação de ar” – apresentado a seguir é, portanto, promover a desobstrução do fluxo do prana pelos nadis, iniciando com o desprendimento das obstruções nas juntas do nosso corpo.

Importante repassar que, antes e depois da pawanmuktasana, ou de qualquer prática de asana, recomenda-se a shavasana (postura do “cadáver”). Essa postura relaxa o corpo e permite que o prana seja facilmente absorvido e distribuído pelo corpo.

Shavasana (postura do “cadáver”)

Deite-se de costas, com os braços ao lado do corpo e as palmas das mãos viradas para cima. Mova os pés, separando-os ligeiramente, até encontrar uma posição confortável. Feche os olhos. Relaxe todo o corpo. Não se mova, de forma alguma, mesmo que sinta desconforto, por esse motivo, é importante encontrar conforto logo no início da atividade. Mantenha a respiração rítmica e natural; observe a inspiração e a expiração. Conte as respirações – 1ª inspiração, 1ª expiração, 2ª inspiração, 2ª expiração, e assim por diante – durante cinco minutos. Se a mente começar a divagar, volte-a para a contagem, e se houver esquecido o número, comece novamente do número 1.

À medida que a percepção do processo da respiração continuar, você experimentará uma melhora no relaxamento fisico e mental.

 

Pawanmuktasana (exercícios de liberação de ar)

Posição inicial

Sente-se ereto no chão com as pernas completamente estendidas. Apóie as palmas das mãos no chão, ao lado dos quadris e um pouco mais atrás, utilizando os braços retos como suporte.

 

(1) Flexão dos dedos do pé

Sentado na posição inicial, dirija sua atenção para os dedos dos pés. Mova-os (de ambos os pés) vagarosamente para trás e para a frente, sem deslocar as pernas ou os tornozelos. Repita dez vezes.

 

(2) Flexão do tornozelo

Permaneça na posição inicial. Mova ambos os pés para frente e para trás o máximo possível, flexionando as juntas do tornozelo. Repita dez vezes.

 

(3) Rotação do tornozelo

Continue na posição inicial. Separe ligeiramente as pernas. Mantenha os calcanhares em contato com o chão, gire o pé direito no sentido horário (flexionando o tornozelo) dez vezes, e então gire no sentido anti-horário mais dez vezes. Repita com o pé esquerdo. Em seguida, faça novamente o exercício, girando ambos os pés ao mesmo tempo.

 

(4) Dobramento do tornozelo

Sente-se na posição inicial, coloque o tornozelo direito sobre a coxa esquerda. Enquanto segura o tornozelo direito com a mão direita, gire o pé direito com a mão esquerda em sentido horário por dez vezes; faça o mesmo mais dez vezes no sentido anti-horário. Repita o procedimento com o pé esquerdo sobre a coxa direita.

 

(5) Flexão do joelho

Sentado na posição inicial, dobre e levante o joelho esquerdo, entrelaçando os dedos das mãos sob a coxa. Desdobre a perna sem permitir que o calcanhar ou os dedos toquem o solo, mantendo as mãos sob a coxa. Retorne a perna à posição anterior, trazendo o calcanhar próximo à nádega esquerda. Repita dez vezes, então faça o mesmo com a perna direita.

 

(6) Rotação do joelho

Sentado na posição inicial, junte as mãos entrelaçando os dedos sob a coxa direita, próximo ao tronco e eleve a perna esquerda do chão. Gire a perna direita, num movimento circular a partir do joelho, dez vezes em sentido horário, e faça o mesmo, mais dez vezes, no sentido anti-horário. Repita com a perna esquerda.

 

(7) Meia borboleta

Coloque o pé esquerdo em cima da coxa direita. Segure o joelho direito com a mão direita e coloque a mão esquerda na curvatura do joelho esquerdo. Mova suavemente a perna dobrada para cima e para baixo com a mão esquerda, relaxando os músculos da perna direita o máximo possível. Continue até que o joelho esquerdo toque, ou quase toque o solo. Repita com o joelho direito . Após alguns dias ou semanas de prática, os joelhos poderão, confortavelmente, tocar o chão. Como resultado desse aumento de flexibilidade e alcance de movimento nas juntas dos quadris, o fluxo de prana e sangue beneficia-se nesta área.

 

(8) Rotação da junta dos quadris

Sente-se na mesma posição citada no exercício (4); segure os dedos do pé esquerdo com a mão direita e o joelho esquerdo com a mão esquerda. Gire o joelho a partir da junta do quadril dez vezes em sentido horário e mais dez vezes no sentido anti-horário. Repita o mesmo procedimento com o joelho direito.

 

(9) Borboleta completa

Na posição sentada, coloque as solas dos pés juntas e traga os calcanhares o mais próximo possível do corpo. Empurre os joelhos em direção ao solo com as mãos e solte-os para que voltem novamente para cima. Repita vinte vezes.

 

(10) Passo de gralha

De cócoras, coloque as palmas das mãos nos joelhos e caminhe, enquanto mantém a posição agachada. Você pode caminhar tanto sobre os dedos como sobre as solas dos pés, da forma que for mais difícil. Continue por um pequeno período de tempo, sem esforço excessivo. Como uma variação, toque o joelho no solo a cada passo.

O passo de gralha é um exercício excelente para preparar as pernas para as posturas de meditação, e é benéfico para as pessoas que possuem fraca circulação de prana e sangue nas pernas. É também recomendado para os que sofrem de prisão de ventre – estes deverão beber dois copos de água antes de executar um minuto de caminhada de gralha, seguido de mais dois copos de água e outro minuto de caminhada. Se isto for feito três ou quatro vezes, a prisão de ventre pode ser aliviada.

 

(11) Mão cerrada

Sente-se na posição inicial, estenda os braços para a frente no nível do ombro. Alternadamente, abra e feche os dedos de ambas as mãos. Feche os dedos sobre os polegares para permitir que a mão fique bem vedada. Repita dez vezes.

 

(12) Flexão do pulso

Mantenha a posição inicial com os braços estendidos para a frente no nível do ombro e curve as mãos para trás, forcando o pulso, como se fosse comprimir as palmas contra a parede, com os dedos erguidos. Então curve os pulsos para apontar os dedos para baixo. Repita alternadamente por dez vezes.

 

(13) Rotação do pulso

Comece na mesma posição do exercício (12), baixe a mão esquerda. Cerre o punho direito e gire o pulso dez vezes em cada direção. Repita com a mão esquerda. Estenda ambos os braços à frente do corpo com punhos cerrados. Gire os pulsos juntos dez vezes em cada direção.

 

(14) Flexão do cotovelo

 

Adote a posição inicial e estenda os braços para a frente, as palmas viradas para cima. Dobre ambos os braços na altura dos cotovelos e toque os ombros com as pontas dos dedos, então estenda os braços novamente. Repita dez vezes. A seguir, execute o mesmo exercício, agora com os braços estendidos para os lados.

 

(15) Rotação dos ombros

Mantenha a mesma posição com as pontas dos dedos tocando os ombros, mova os ombros num padrão circular, girando as juntas dos ombros. Faça isso dez vezes em cada direção. Execute o maior movimento circular possível, traga os dois cotovelos à frente do tórax.

Aqui se completa o círculo de asanas para estimular todas as juntas dos membros. Observe que, as atividades nas extremidades inferiores iniciaram a partir dos dedos dos pés, depois para os tornozelos, joelhos e terminaram nas juntas do quadril. Nas extremidades superiores, prossiga nesta mesma ordem, dos dedos para os pulsos, cotovelos e juntas dos ombros.

Os efeitos das asanas de liberação de ar sobre a circulação do prana podem ser explicados através da teoria dos meridianos da medicina chinesa, onde existem doze meridianos principais de energia ki que circulam sobre e por todo o corpo. Os pontos terminais desses meridianos localizam se nos dedos dos pés e das mãos, e são conhecidos como pontos sei (“fonte”).

 

Na próxima semana, darei continuidade à essa série, trazendo exercícios relacionados ao grupo de asanas destinadas a corrigirem deslocamentos vertebrais, o que auxilia a purificar o sushumna***.

Sendo assim, separem um horário do seu dia e executem os exercícios citados acima todos os dias, por pelo menos uns 15 dias ou até que se sintam confortáveis em prosseguir para as próximas atividades.

 

Estes e vários outros exercícios, como também maiores explicações sobre os efeitos das asanas no nosso organismo você encontra no livro Teoria dos Chakras de Hiroshi Motoyama. Clique no link abaixo, na capa do livro, para adquirí-lo agora.

 

 

Sobre o autor de Teoria dos Chakras – Ponte para a Consciência Superior

Hiroshi Motoyama

Hiroshi Motoyama (1925 – 2015) foi um famoso erudito japonês, nasceu na ilha Shodo, município de Kagawa, Japão. Ph. D. em Filosofia e Psicologia Clínica. Dr. Motoyama foi um cientista renomado e para aqueles que já estão familiarizados com as pesquisas existentes sobre a ioga e as ciências psíquica e espiritual, não será necessário apresentá-lo, pois ele é, atualmente, o mais importante pesquisador desta área. Suas descobertas pioneiras têm levado a ciência ortodoxa ao limiar da dimensão espiritual e servirão de base para pesquisas futuras sobre os potenciais mais elevados inerentes à estrutura corpo-mente do ser humano. Seus esforços científicos resultaram na organização do Instituo Psicologia Religiosa, que facilita todo o trabalho de pesquisa, e na Associação Internacional de Religião e Parapsicologia, uma organização internacional cujos membros executaram pesquisas e estudos relacionados com essas áreas. Motoyama é autor de mais de trinta livros e de numerosos trabalhos e monografias, viajou o mundo apresentando seu trabalho.

Em reconhecimento a seu importante papel nesta área da ciência, a UNESCO elegeu-o em 1974 como um dos dez parapsicólogos mais importantes do mundo.


“ki”* – Denominação japonesa, referente à energia vital que flui pelo corpo humano.

**Procure realizar as práticas sob a supervisão de um profissional da área. Também é importante verificar o consentimento de seu médico e/ou fisioterapeuta antes de realizar qualquer prática física.

***sushumna – Um dos três mais importantes nadis, que são canais energéticos, condutos sutis, ou seja, veias energéticas que formam uma trama no interior e na superfície do nosso duplo etérico ou corpo energético. Clique aqui e saiba mais sobre o corpo energético.

 


Referência para o texto e fonte dos exercícios: Livro Teoria dos Chacras


0 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *